quarta-feira, 11 de julho de 2012

Steins;Gate


    Não me pergunte o porquê do título ser assim. É desse jeito mesmo que se escreve, com um ponto e vírgula no meio. Eu cheguei a pesquisar pra saber o que significa e não encontrei nada. Mas não faz diferença. Esse é o título de um dos animês mais populares do ano passado e até agora o último que conseguiu ganhar o meu respeito. Steins;Gate é uma série animada baseada em uma visual novel japonesa de mesmo nome lançada pro Xbox 360. Apesar de a visual novel ser de 2009, o animê é de apenas dois anos depois, sendo apresentado de 6 de abril a 14 de setembro de 2011. Mas eu assisti a todos os 25 episódios sem saber de nada disso. O tema é viagens no tempo. A história é sensacional.

    Seguindo um dos roteiros mais excelentes q eu já vi, a narrativa se passa no ano de 2010, no bairro japonês Akihabara e acompanha o protagonista Rintaro Okabe, também chamado de Okarin, que se diz ser um cientista louco. Ele, junto de seus dois amigos Daru e Mayuri, descobre meio que por acidente um jeito de enviar mensagens de texto para o passado utilizando um micro-ondas e um celular. Isso, aliado ao fato de Okabe ter encontrado o corpo esfaqueado de sua colega Kurisu e no dia seguinte ela estar viva e não se lembrar de nada, e à aparição de um enorme satélite no terraço de um prédio, dá inicio a uma das histórias mais geniais dos animês de todos os tempos.

    Okabe é do tipo excêntrico e gosta de fazer piadas o tempo todo. Ele anda por aí sempre vestindo um jaleco branco e frequentemente fala sozinho no celular em uma tentativa de enganar os outros, mas ninguém nunca acredita. Ele vive em um laboratório improvisado em cima da loja do Sr. Braun, de quem alugou o apartamento para montar o laboratório. Com o passar do tempo, vai incluindo membros do laboratório até chegar a 8 membros, conforme o número de personagens vai aumentando. Com a descoberta daquilo que eles chamam de “d-mail” (ou seja, das mensagens que podem ser enviadas ao passado) ele e seus amigos começam a fazer diversas experiências para testar essa nova “máquina do tempo”. Além disso, eles ainda conseguem um meio de fazer um salto no tempo e voltar dois dias no passado para impedir que certos eventos aconteçam. Aparentemente, Okabe é o único capaz de se lembrar de todas as linhas do tempo pelas quais ele passou depois de realizar uma viagem no tempo, uma vez que todas as pessoas se esquecem dessas viagens e agem como se nada tivesse acontecido.

    Ele é bastante neurótico. Acredita que, por causa de suas pesquisas arriscadas, está sendo o tempo todo perseguido e vigiado por uma organização chamada SERN e que um suposto viajante do tempo chamado John Titor estaria dizendo a verdade após afirmar por toda a internet que ele veio do ano 2036 e que pretende evitar uma Terceira Guerra Mundial no futuro. No começo todos veem Okabe como louco, mas depois todas as suas crenças e predições acabam por se tornar realidade. Em uma conversa com o misterioso John Titor, este lhe revela que Okabe pode ter uma espécie de poder que lhe permite se lembrar de tudo, não importa quantas vezes ele mude as linhas de mundo. Porém, a origem de tal poder nunca é explicada. O suposto John Titor também pede para que Okabe se torne o seu Messias, já que ele acredita que Okabe é o único com a chave para derrotar a SERN e impedir uma guerra no futuro.

    Com o tempo, as experiências com o d-mail e os saltos no tempo começam a se tornar coisas mais pessoais e, por isso, também mais perigosas. Os membros do laboratório passam a usar o d-mail para resolver problemas pessoais no passado, mesmo que eles não consigam se lembrar de que algo mudou como Okabe consegue. O animê faz várias referências óbvias ao filme Efeito Borboleta, que também é muito bom, onde cada mudança no passado altera completa e radicalmente os eventos do presente. Com isso, Okabe e seus colegas acabam criando várias linhas de mundo e universos paralelos, mesmo que sem querer, o que torna a história muito mais complexa e intensa.

    Apesar de seguir o gênero de ficção científica e suspense, Steins;Gate possui muitos momentos cômicos e pode ser descrito como uma comédia leve e sem pretensões. Os personagens são muito carismáticos e bem trabalhados e cada um deles tem seu modo único de ser. O próprio Okabe é completamente atrapalhado e faz piadas a todo o momento. Seu amigo Daru, um hacker habilidoso, se diz o guerreiro da perversão, e sua colega Kurisu, a quem Okabe chama de Cristina (o que ela odeia), sempre acusa os dois de serem extremamente tarados e pervertidos. O estressado Sr. Braun também tem seus momentos engraçados, como quando se irrita pelas experiências barulhentas que Okabe faz em seu laboratório, o que atrapalha os negócios do dono da loja.
"It's so cooooooooooool!"

    Eu acho que o que faz de Steins;Gate uma série realmente interessante é que vários de seus elementos são baseados em fatos reais. Realmente existiu, na internet, uma pessoa sob o pseudônimo de John Titor que se dizia um viajante do tempo que viera do ano de 2036 e que buscava um meio de impedir uma Guerra Mundial causada pela empresa CERN. John Titor planejava viajar para o ano de 1975 para conseguir um computador IBM 5100, que por algum motivo acredita que pode ajudá-lo em sua missão, mas parou no ano de 2000 por motivos pessoais e para encontrar sua família. O mais intrigante é que muitas das previsões feitas pelo misterioso John Titor se tornaram realidade, o que contribuiu para a sua credibilidade.

    No animê fica clara a tentativa de dar uma explicação ao fenômeno de John Titor e suas supostas viagens no tempo. Sua identidade e verdadeiras motivações são reveladas ao espectador, mas é claro que é tudo suposição. Na história, John Titor é mesmo um viajante do tempo que para no ano de 2010 para encontrar seu pai e reaver o computador IBM 5100 e diz que, no ano de 2036, a empresa SERN conseguiu um meio de viajar no tempo utilizando o acelerador de partículas LHC e criou uma guerra entre as nações, pois quem controla o tempo controla tudo. A pessoa com o pseudônimo de John Titor, então, foi enviada de volta para o passado através da máquina do tempo construída pelo seu pai em uma missão para atrapalhar os planos da SERN, mas obviamente a empresa tentará impedir que isso aconteça.

    A animação e trilha sonora são impecáveis. Os temas de abertura e encerramento são simplesmente perfeitos e o modo como eles são alterados conforme a série chega ao seu fim marca um dos pontos altos de sua qualidade técnica. Apesar do excesso de momentos cômicos, as piadas nunca chegam a ficar exageradamente bobas e são todas hilárias. Tudo está na medida certa. Em alguns momentos pode ser que você não entenda o que está se passando devido à complexidade dos raciocínios, mas isso não é nada que atrapalhe o animê ou que o faça decair em qualidade. E não importa se o modo como as viagens no tempo são feitas faz sentido ou não. O animê faz isso de uma maneira tão convincente que você vai acabar engolindo.

    Se você é do tipo que precisa de uma animação de primeira categoria, munida com um roteiro cheio de surpresas e reviravoltas, Steins;Gate é a salvação. Foi considerado o melhor animê de 2011 e é provavelmente o melhor de seu gênero. Em momento algum sua qualidade cai ou o ritmo da série fica lento ou rápido demais. Todos os episódios são igualmente perfeitos e eu o considero um animê nota 10 de 10. E o melhor é que você não vai ficar com sede de episódios depois que a série acabar. O final é 100% satisfatório e não deixa nada a desejar, entregando ao espectador todas as explicações exigidas. Assista agora a série animada mais conceituada do ano passado – são apenas 25 episódios e não há como se arrepender. Ou simplesmente pegue seu micro-ondas, volte no tempo, altere o passado e finja que nada aconteceu.



Um comentário: